Últimas Notícias

Fique por dentro das novidades que o CEMNAS traz para você

  • 29 dez 2014
    Greve e pesquisas foram destaques da área de educação ao longo de 2014

    Greve e pesquisas foram destaques da área de educação ao longo de 2014

    Multifacetadas. Essa é a palavra que melhor descreve as pesquisas realizadas ou divulgadas na região de São Carlos (SP) em 2014. Os estudos variaram da criação de medicamentos contra a doença de chagas a levantamento sobre a ação da laranja na inibição de apetite. E tudo isso em um ano marcado pela greve mais longa da história das universidades estaduais paulistas.

    Neste ano, tivemos soluções que vieram das alturas, mas com diferentes tamanhos: desde um microcóptero à maior aeronave já produzida no Brasil, chamada de KC-390. O primeiro, desenvolvido com a ajuda de profissionais do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos (SP), tem por objetivo alertar os motoristas sobre possíveis situações de risco por meio de redes wi-fi, 3G ou 4G.

    "Ele consegue captar, por exemplo, um ponto de alagamento ou enchente e enviar a imagem, informar que determinada via está congestionada e criar rotas alternativas", explicou o professor Jó Ueyama, responsável pela pesquisa. O aparelho deve estar disponível para uso até a metade de 2015.

    Já o segundo, que deve começar a ganhar os céus em 2016, vai ser usado para transporte militar, substituindo a frota de aviões Hércules. "Eu diria que não é só o maior avião produzido no Brasil, provavelmente é o maior projeto de avião produzido no hemisfério Sul. É um avião que vai ter grande importância militar, transporte de tropas, reabastecimento em voo, mas também para a Defesa Civil, para evacuações médicas e incêndios", disse o Ministro da Defesa, Celso Amorim, durante o lançamento do protótipo do modelo, que vai ser produzido em Gavião Peixoto.

    Dengue
    E se algumas respostas surgiram dos céus, o mesmo pode ser dito dos problemas, ou melhor, do problema. A dengue continuou preocupando moradores e autoridades da região e levou ao desenvolvimento de estudos. Em um deles, pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Rio Claro (SP) fabricaram uma substância capaz de repelir e matar o Aedes aegypti. E tudo isso por acaso.

    Os biólogos trabalhavam para formular um detergente biológico e procuravam um princípio ativo na natureza. Para isso, estudavam solos contaminados por petróleo, local propício para a bactéria Pseudomonas aeruginosa LBI, e descobriram que ela era capaz de destruir as larvas e os mosquitos transmissores da dengue, além de funcionar como repelente. Agora eles atuam para que o produto desenvolvido com base na bactéria chegue ao mercado.
    Enquanto isso não ocorre, as opções são evitar a proliferação do mosquito e cuidar dos pacientes, e aqui entra um sistema criado pela USP São Carlos. Por meio de um exame de sangue, ele consegue identificar a doença no estágio inicial e informa o resultado em 20 minutos.

    Boas notícias
    Ainda na área da saúde, profissionais da USP São Carlos acharam uma forma de deixar o tratamento contra a doença de chagas mais eficaz e diminuir o sofrimento do paciente. Após 15 anos de estudos, eles desenvolveram um composto capaz de inibir a enzima do Trypanossoma cruzi, protozoário responsável pela patologia, e impedir que o parasita se desenvolva no organismo.
    A ideia dos pesquisadores é, a partir desse trabalho, desenvolver um medicamento com princípio ativo mais seletivo, com poucos efeitos colaterais. O composto está sendo testado em animais e, caso a enzima do protozoário seja completamente eliminada, a previsão dos cientistas é de que em cinco anos possa existir um novo remédio para combater a doença.
    Outra pesquisa da mesma instituição que repercutiu em 2014 foi o estudo voltado para a recuperação dos movimentos de partes do corpo de tetraplégicos. Foram mais de dez anos de estudos até chegar à conclusão de que impulsos elétricos de baixa intensidade gerados por eletrodos posicionados sobre a pele ajudam os pacientes.

    "Fundamentalmente, a gente aprende por treinamento. Com a repetição da marcha várias vezes por semana, o sistema nervoso reaprende e esse paciente volta a andar, inicialmente involuntariamente e depois voluntariamente", afirmou Alberto Cliquet Júnior, responsável pela pesquisa, que está sendo aplicada no Hospital de Clínicas da Universidade de Campinas (Unicamp).

    Também ganharam destaque os resultados de outro levantamento, feito com um produto muito comum na região, a laranja. Pesquisadores da Unesp de Araraquara descobriram que o suco da fruta aumenta a saciedade e ajuda a inibir o apetite na refeição seguinte.

    Os testes foram feitos com sucos frescos e industrializados e nos dois casos o resultado foi o mesmo. Para que a bebida tenha o efeito desejado, entretanto, é preciso tomá-la sem açúcar, já que ele é rapidamente absorvido pelo organismo, causando a sensação de fome e não de saciedade. A dose recomendada é de dois copos por dia.

    Greve
    Essas pesquisas caminharam mesmo em um ano turbulento. Em 2014, USP, Unesp e Unicamp passaram pelas mais longas greves de sua história. Alunos, professores e servidores aderiram à paralisação que visava ao reajuste salarial, abertura de concursos e melhora da infraestrutura, entre outros pontos.

    Na USP São Carlos, o restaurante universitário ficou fechado e o transporte entre os campi foi suspenso. Na Unesp, a adesão ao movimento reuniu diversos campi e em alguns deles as aulas ficaram suspensas por meses. Em Araraquara, um grupo de alunos ocupou por 21 dias a diretoria da Faculdade de Ciências e Letras e foi aberta uma sindicância para apurar o episódio, que também foi parar na polícia.

    Na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), os servidores também declararam greve. A paralisação foi iniciada em 17 de março e foi encerrada em 24 de junho, após uma determinação do Superior Tribunal de Justiça. Eles pediam a padronização de cargos e salários, revisão no reposicionamento de aposentados e o fim da terceirização de serviços.

    A paralisação fechou a biblioteca comunitária e o
    Restaurante Universitário e afetou mais de 1,2 mil alunos bolsistas que deveriam comer de graça no refeitório. No período da greve, eles receberam alimentos in natura, que deveriam preparar por conta própria.

    De olho no futuro
    O cenário conturbado dentro das universidades não impediu que grandes eventos ocorressem neste ano no ambiente acadêmico. Em um deles, um robô chamou a atenção do público presente na USP São Carlos. Nao, como é conhecido, foi desenvolvido por uma empresa francesa e está ajudando no tratamento do autismo e no cuidado de idosos. O equipamento também já está sendo utilizado para diferentes funções, desde ler e responder e-mails a interagir com crianças.
    Outro passo importante na área da educação foi o exemplo dado por João Vitor Martinez de Oliveira. Estudante de uma escola pública de Santa Lúcia (SP), filho de um metalúrgico e de uma dona de casa, ele se dedicou ao aprendizado de idiomas e, além do português, domina espanhol, francês, inglês, italiano, alemão, russo, japonês, coreano e mandarim.

    Tanto empenho resultou no convite para um intercâmbio na China e na expansão de seus horizontes. O segredo para o sucesso? "Nada é impossível. Se você se dedicar, você aprende", resumiu.

    Fonte: G1

     

    Escreva o seu também