Últimas Notícias

Fique por dentro das novidades que o CEMNAS traz para você

  • 19 Mai 2015
    Professores e servidores programam novo ato contra Richa nesta terça-feira

    Professores e servidores programam novo ato contra Richa nesta terça-feira

    Um ato contra o governador Beto Richa (PSBD) promete levar milhares de pessoas às ruas de Curitiba, a partir das 9h desta terça-feira (19). A maioria dos manifestantes deve ser de professores e de funcionários de escolas e universidades estaduais, que estão em greve desde o dia 25 de abril.

    Os manifestantes vão se dividir em dois grupos: servidores de Curitiba e Região Metropolitana se reúnem na praça Rui Barbosa, enquanto quem é do interior se aglomera na praça Santos Andrade, ambas na região central da capital paranaense. Também estão programados outros protestos em cidades do interior.
    Entre muitas reivindicações, a principal é pressionar o governo pelo aumento no reajuste de salário. A administração estadual já afirmou que o salário terá acréscimo de 5% e será pago em duas parcelas, sem mais nenhuma negociação. A categoria, no entanto, ainda exige 8,17%.

    Ainda não há previsão de data para o fim de greve nas instituições educacionais do estado. Já são 25 dias de paralisação, até esta terça-feira. Mais de um milhão de alunos continuam sem aulas.

    O estopim da greve foi um projeto de lei que alterou a gestão dos recursos da previdência estadual. O texto foi aprovado pelos deputados e sancionado pelo governador.
    Durante a votação do projeto na Assembleia Legislativa (Alep), em 29 de abril, policiais militares e manifestantes entraram em confronto na praça Nossa Senhora de Salete, em frente à Casa. Mais de 200 pessoas ficaram feridas.

    Governo estuda impacto
    O governo do Paraná anunciou, na segunda-feira (18), que ainda estuda o impacto financeiro do reajuste, fixado em 5%, antes de encaminhá-lo para apreciação dos parlamentares. Em nota, o governo diz que o estudo deve ser concluído nos próximos dias, e reitera que não se trata de retirada da proposta, uma vez que não houve envio.

    Fonte: G1

     

    Escreva o seu também