Últimas Notícias

Fique por dentro das novidades que o CEMNAS traz para você

  • 24 set 2014
    Dez dicas para a redação do Enem

    Dez dicas para a redação do Enem

    O Enem está chegando, e você que se preparou para o maior vestibular do Brasil certamente quer garantir sua vaga em uma das melhores universidades do país, não é mesmo? Você já sabe que a nota da Redação pesa muito na avaliação final, portanto, todo cuidado na hora de redigir seu texto ainda é pouco. Para ajudá-lo a conhecer os segredos da boa escrita, selecionamos dez dicas de Redação para o Enem que vão te deixar mais perto da nota 1.000. Vamos aos estudos?

    Em primeiro lugar, é importante salientar que as dicas servem para complementar o aprendizado, ou seja, é preciso que você já tenha uma sólida bagagem de conhecimento para que elas sejam mais bem aproveitadas. As dicas de redação são como lembretes de tudo aquilo que você aprendeu na escola, um resumo bastante útil e dinâmico para o candidato nortear seus estudos. Agora que você já sabe disso, conheça nossas dez dicas para o Enem que contemplam aspectos sintáticos e semânticos do texto:

    1. Nunca, em hipótese alguma, generalize: As generalizações devem ser abolidas de seu texto, pois elas revelam falta de reflexão sobre determinado assunto. Dizer, por exemplo, "que os brasileiros não gostam de política", desconsidera uma boa parcela da população que se interessa pelo tema.

    2. Evite o uso da voz passiva: A redação deve ser clara e direta, portanto, não há espaço para ambiguidades. Para isso, evite a voz passiva e possíveis inversões na ordem dos elementos da oração.

    3. Não seja redundante: A redundância, ou pleonasmo vicioso, é considerado um vício de linguagem. Sendo assim, cuidado para não repetir a mesma informação ou argumento ao longo do texto, ainda que através de diferentes palavras e expressões.

    4. Exageros não são bem-vindos: Hipérboles → Evite-as. A hipérbole é um recurso expressivo da linguagem muito utilizado nos textos de linguagem literária, o que não é o caso da dissertação argumentativa do Enem. Então, nada de dizer que "bilhões de brasileiros vão às urnas no ano de 2014". O bom senso agradece.

    5. Não abuse das exclamações: Tudo bem quando você conversa com seus amigos no bate-papo virtual e, para ser mais enfático e mostrar toda a sua felicidade ou indignação, usa várias exclamações (pra quê???). Apenas uma é suficiente, certo?

    6. Citações são bem-vindas, mas sem exageros: Algumas pessoas, na imensa vontade de mostrar que têm uma rica bagagem de leitura e que conhecem vários escritores, pensadores, filósofos etc., acabam recheando o texto de citações. Cuidado, esse hábito pode ter um resultado bem diferente do esperado, pois quem cita demais geralmente não tem ideias próprias para mostrar aos corretores. Pense nisso!

    7. Evite frases longas: As frases longas geralmente são resultado de má pontuação. Se você não é um escritor experiente, daqueles que sabem exatamente como escrever um período longo sem deixá-lo incompreensível, evite-as. O leitor pode perder-se nas informações, então opte por frases curtas e períodos bem pontuados.

    8. Mesóclises? Evite-as: Você acha que conhece tudo sobre colocação pronominal e, lá no meio do seu texto, inventa de usar uma mesóclise para impressionar o corretor? Se você não souber que a mesóclise é usada em todos os casos de ênclise nos quais os verbos estão conjugados ou no futuro do presente ou no futuro do pretérito, significa que provavelmente você vai tropeçar na colocação pronominal. Na dúvida, evite-a.

    9. Evite regionalismos linguísticos: Nós sabemos que você adora seu estado e sua cultura local, sabemos também que os falares regionais são elementos das variações linguísticas, mas também sabemos que, possivelmente, o corretor da sua redação não vai reconhecer aquela expressão que você usa com a maior naturalidade do mundo na sua cidade. Deixe os regionalismos para a modalidade oral e para os textos literários, certo?

    10. Por último, mas não menos importante... Evite chavões e lugares-comuns: Ao contrário do que se imagina, os chavões ou lugares-comuns não enfeitam o texto, muito pelo contrário, esse tipo de vício da linguagem apenas evidencia certa "preguiça linguística" do candidato. Os chavões são como fórmulas de expressão, quase todo mundo usa, menos você, que sabe se expressar de maneira inteligente e autêntica.

    Fonte: Brasil Escola

     

    Escreva o seu também