Últimas Notícias

Fique por dentro das novidades que o CEMNAS traz para você

  • 16 set 2014
    Dia mundial para a preservação da Camada de Ozônio

    Dia mundial para a preservação da Camada de Ozônio

    A camada de ozônio, como o próprio nome diz, é uma camada ou revestimento formado por moléculas do gás ozônio (O3(g)), uma forma alotrópica do oxigênio.
    Ela situa-se em uma camada externa à atmosfera, em uma altitude entre 20 e 35 km, sendo chamada de estratosfera. Mas esse gás também pode ser encontrado em menor quantidade na troposfera (altitude de cerca de 10 km).

    A camada de ozônio possui uma função vital para a manutenção da vida na Terra, pois ela é capaz de absorver até 99% da radiação ultravioleta (UV) proveniente do Sol. Visto que essa radiação tem baixos comprimentos de onda e alta energia, ela possui alto poder de penetração na pele. É essa radiação que provoca o bronzeamento, mas ela também é responsável por muitos efeitos danosos, pois pode danificar o DNA (ácido desoxirribonucleico), provocando mutações genéticas.

    A radiação UV divide-se em três faixas de energia distintas: UVA (320 nm a 400 nm), UVB (290nm a 320 nm) e UVC (200 nm a 290 nm). Entre elas, a mais danosa e energética é a UVC, que, felizmente, não atinge a superfície terrestre porque é filtrada pela camada de ozônio.

    Assim, a camada de ozônio é realmente um escudo versátil e eficiente que ajuda a proteger dessa radiação nociva muitas formas de vida, como os plânctons, que são os responsáveis pela produção de grande parte do nosso oxigênio.

    A quantidade de ozônio na estratosfera não é constante, mas ela é diretamente proporcional à intensidade da radiação UV. A formação das moléculas desse gás ocorre por meio da decomposição das moléculas do gás oxigênio (O2(g)), formando oxigênio livre que reage, em uma segunda etapa, com o gás oxigênio:

    1ª etapa: O2(g) → 2 O(g)

    2ª etapa: O(g) + O2(g) → 1 O3(g)

    Forma-se, então, um equilíbrio químico na camada de ozônio:

    2 O2(g) ↔ 1 O3(g) + O(g) ∆H = + 142,35 kJ/mol

    Infelizmente, porém, o ser humano lançou ao longo do tempo alguns compostos poluentes que deslocaram esse equilíbrio no sentido de decomposição do ozônio, diminuindo a sua concentração na estratosfera e deixando o planeta mais desprotegido.

    Um dos maiores causadores da destruição da camada de ozônio são os CFCs (Clorofluorcarbonetos, também conhecidos como Fréons®), que são compostos formados por átomos de carbono, flúor e cloro. Os CFCs são lançados na atmosfera principalmente pelo seu uso como propelente de aerossóis (sprays), em geladeiras e refrigeradores, como agente expansor de plásticos e em solventes para limpar circuitos eletrônicos.
    Como se pode ver nas reações abaixo, quando o CFC atinge a estratosfera, a radiação solar decompõe suas moléculas, liberando cloro. O cloro, por sua vez, reage com o ozônio e isso diminui a sua concentração:

    CH3Cℓ(g) → CH3(g) + Cℓ(g)

    Cℓ(g) + O3(g) → CℓO(g) + O2(g)

    Além disso, o CℓO formado também reage com os átomos de oxigênio livres na atmosfera, liberando mais átomos de cloro, que irão reagir com o ozônio, destruindo cada vez mais nossa camada protetora:

    ClO(g) + O(g) → Cl(g) + O2(g)

    O lugar mais afetado é a Antártida, onde o buraco na camada de ozônio era duas vezes maior que na Europa em setembro de 2000. O satélite de monitoração da camada de ozônio da Nasa registrou o maior buraco já observado sobre a Antártida, medindo cerca de 28,3 milhões de quilômetros quadrados, o que representa mais de três vezes a área da Austrália. Essa situação é pior na Antártida porque lá a formação de átomos de cloro é muito grande e mantém-se inalterada, em razão das atípicas nuvens estratosféricas formadas durante o inverno austral, sendo na superfície das partículas dessas nuvens que ocorrem as reações mostradas.
    As possíveis consequências da destruição da camada de ozônio são o aumento da incidência do câncer de pele, em virtude da ação dos raios ultravioletas, e a intensificação do aquecimento global, o que leva a vários resultados catastróficos, como o descongelamento de geleiras polares, aumentando o nível das águas nos oceanos.

    Mas ainda resta uma ponta de esperança, pois desde 2000 as concentrações de CFCs têm diminuído quase um por cento ao ano.

    Fonte: Brasil escola

     

    Escreva o seu também